25/05/2016

O vagão do amor.


Sabe aquelas paixões de metrô? Quem nunca viveu uma, né?!

Eu dia desses entrei no vagão na estação de costume, sentei no mesmo banco de sempre e esperei que ninguém fosse sentar ao meu lado até chegar na estação que lotava naquele horário, o Tatuapé.

Previsão errada!

Duas estações depois da minha, entra dois moços. Um paulista e outro que certamente havia acabado de se mudar para cá, um senta ao meu lado e esse outro, era você, que sentou na minha frente.

Você que por um incidente, acabei chutando e tive que me desculpar.

Ah, certeza que você deve ter achado que foi de propósito, talvez eu fiquei nervosa com tamanha pressão?

Você com um sotaque do sul, diretamente de Curitiba como eu tinha ouvido na sua conversa com seu amigo, estava sentado na minha frente tentando descobrir o livro que eu estava lendo.

Eu tentei não olhar, demonstrar que o livro era mais interessante do que o cheiro do seu perfume. Falhei.

Chegou minha estação, fiquei prestando atenção para ver se você e seu amigo iriam descer, pelo jeito não. Droga! Perdi minha estação.

Por sorte, ainda tinha a oportunidade de descer duas estações depois daquela.

Eita, descemos na mesma estação. Acho que são os astros nos ajudando.. Pera, você desceu do lado errado. Acho que ainda não se acostumou.

E ali, no mesmo local, indo para a mesma plataforma, por lugares diferentes, ACABOU.

Acabou o que chamamos de amor de metrô, acabou o que nem começou, mas que por aqueles instantes vividos jamais irei esquecer do cheiro do seu perfume, do seu sotaque maravilhoso e da forma em que você falava o quão lotado e apressado é São Paulo.

Texto de minha autoria.
Beatriz França.


Acompanhe nas redes sociais

6 comentários:

  1. Que delícia de texto, rápido, mas dá pra notar tudo.
    Aii quem dera sentar perto de alguém e me interessar assim, geralmente só troco olhares em lugares públicos, nunca dou sorte de pegar algum transporte e ver o meu tipo de cara.. haha
    Beijos!
    Blog Pam Lepletier

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oii Pam, obrigada! Sempre acontece comigo no metrô, mas esse foi tão forte que saiu em texto. Infelizmente não tive coragem de trocar nem uma palavra.
      Obrigada pela visita.

      Excluir
  2. É bem assim que acontece mesmo, dá uma tristeza quando acaba... Mas aí chega outro moço e a tristeza passa. Paixão de metrô tem que ser rápida assim mesmo, se não é só sofrimento e agonia. Hahahhahah

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E depois chega mais um e mais outro, e você fica perdida em quem focar.. Que sofrimento! hahahaha
      Obrigada pela visita Bia ♥

      Excluir
  3. Nossa, me identifiquei muito, o que é bom sempre parece durar pouco.

    http://umacoisadecadavezblog.wordpress.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oiii Amanda, é muito ruim quando dura pouco... Mas é uma sensação boa até.
      Obrigada pela visita.

      Excluir